quinta-feira, agosto 27, 2009

Meu amor ao álcool gel

Nunca pensei ter nas mãos
tua realidade que escapa e evapora.
Até ontem tu não existias,
e agora te tenho em cada fuga
mais que a vida que sobre tua pele
brincando de morte se apavora
e sob tua pele se debruça.

Um comentário:

Cristiano Knapp disse...

Falta um "meu amor à gripe suína".