quinta-feira, outubro 09, 2008

A Walt Whitman

Ó Whitman, meu Whitman,
onde acabará teu verso?
O papel acaba, o livro é pouco, o blog é isso que vês
Mas teu verso enorme vai se quebrando e a página se enchendo e o poema, que é o branco da folha, vira a letra densa, a letra preta, a letra que, no entanto, na tua pena vira pena, folhas de relva plainando em queda descompromissada e conformada, lentamente a tocar o nada e o sem-fim das cantilenas sempre iguais dos trabalhadores livres da tua democracia.

Ó Whitman, pastor da América!

Um comentário:

Daniel disse...

Essas últimas semanas estão me levando à constatação de que eu realmente não sei nada de poesia ainda.

Walt Whitman: em breve hei de lê-lo!