terça-feira, setembro 12, 2006

Falência

Diziam que não funcionaria
e deveras longe não foi.
Morreu quando nem vida tinha:
era um desenganado que vivia.
Foi o terrível olho da descrença?
Foi a boca fechada de indiferença.
Quando o motor único do destino
- movimentos débeis a um vetor incerto –
esperança chama-se,
apenas o até quando o alimenta.

Posto que é chama,
posto que o tempo venta,
chegou aqui para acabar
recusando termos que inventa
a língua:
não chafurdo na lama,
não me estrangulo, sem ar.
Morro apenas
como um natimorto:
as glórias que jamais tive
negaram-me o direito de dizer que existi.

Um comentário:

Pamela Cabral disse...

eu nunca comentei nada que você escreve por aqui =/

é, não vai ser hoje =P